central-de-consultas-logotipo-19-anos

Dor de garganta e garganta inflamada: o que pode ser?

Dor de garganta e garganta inflamada: o que pode ser?

A dor de garganta e a garganta inflamada são sinais de lesões ou infecções na laringe, faringe ou nas amígdalas. Tudo começa quando a garganta entra em contato com micro-organismos (vírus, bactérias, fungos), partículas de substâncias químicas ou corpos estranhos. Nessa situação, o organismo reage para expulsar o agente invasor e proteger o sistema respiratório.

 

Então, assim sendo, o objetivo do sistema imunológico é facilitar a passagem das células de defesa para combater a infecção ou lesão. Assim, vasos sanguíneos da região da garganta dilatam. É esse processo que causa os sintomas da inflamação como inchaço, vermelhidão, calor, ressecamento e dor.

 

No artigo de hoje, vamos falar um pouco mais sobre as características da inflamação na garganta. Continue a leitura para saber sobre:

Causas da inflamação e dor de garganta;

Sintomas de garganta inflamada;

Diagnóstico de garganta inflamada;

Garganta inflamada: o que fazer?

Como prevenir inflamação e dor de garganta?

 

Se você tem dor de garganta persistente ou acompanhada de outros sintomas (dor de cabeça, febre, tosse, inchaço no pescoço), procure um médico. Na Central de Consultas, você agenda um atendimento de Clínico Geral, Otorrinolaringologia, Gastroenterologia e muito mais. Marque sua consulta pelo site centraldeconsultas.med.br ou telefone e WhatsApp (51) 3227-1515.

 

CAUSAS DA INFLAMAÇÃO E DOR DE GARGANTA

 

Doenças respiratórias

 

A garganta inflamada e a dor de garganta podem ter várias explicações. O mais comum é que sejam sintomas de doenças respiratórias. Por exemplo:

  • Gripe;
  • Resfriado;
  • Covid-19;
  • Sinusite;
  • Rinite;
  • Sarampo;
  • Faringite;
  • Laringite;
  • Coqueluche.

 

Essas patologias podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos, ácaros ou alérgenos. Não apenas atingir a garganta, algumas das infecções causam por exemplo, febre, coriza, dor de ouvido, dor corporal, cefaleia e irritação ocular.

 

Leia mais: Doenças respiratórias que atingem nariz e garganta

Resfriado ou gripe? Conheça as diferenças

 

Infecções bacterianas e virais na orofaringe

 

A dor de garganta também pode ser resultado de outras doenças virais e bacterianas, como:

  • Amigdalite e abscesso;
  • Epiglotite;
  • Mononucleose;
  • Difteria.

 

Além disso, há outras infecções virais que, em alguns casos, podem afetar a região da faringe, como a catapora. Inclusive, é possível que as erupções vermelhas decorrentes da doença surjam até mesmo na orofaringe (além das mucosas do trato respiratório e mucosas anogenitais). Quando as lesões atingem a garganta, além de dor, também causam dificuldade para engolir alimentos e líquidos.

 

Infecções sexualmente transmissíveis (IST)

 

Infecções sexualmente transmissíveis são outras razões para a inflamação na garganta. Afinal, é possível que seja um dos sintomas observados no diagnóstico de HIV. Nesse caso, a inflamação na região é semelhante a observada nas doenças respiratórias, com dor e vermelhidão.

 

Há também outras IST que podem ser transmitidas por sexo oral e, por isso, causam sintomas na região da boca e faringe. É o caso da hepatite (A, B ou C), embora seja uma forma de transmissão bastante rara.

 

Já a gonorreia na garganta (faringite gonocócica ou gonorreia orofaríngea) ocorre na infecção pela bactéria gonococo. Essa pode ser transmitida no contato com secreções genitais ou com a pele de uma pessoa infectada. Também é possível haver transmissão vertical da doença (de mãe para filho, na gravidez).

 

Em alguns casos, a gonorreia orofaríngea é assintomática. Mas, quando causa sintomas, a doença provoca dor, inchaço, queimação, ressecamento e manchas brancas na região da garganta. A inflamação também pode causar alterações na fala e dificuldade para engolir alimentos ou saliva.

 

Leia mais: Hepatites A, B e C: transmissão viral, sintomas e prevenção

Dezembro vermelho: Saiba como prevenir o HIV e a AIDS

Infecções sexualmente transmissíveis por bactérias

 

Doenças crônicas

 

Além de doenças infecciosas, há outros tipos de patologias que podem causar dor e inflamação na garganta. É o caso do refluxo gastroesofágico, doença digestiva crônica, caracterizada pelo retorno involuntário e repetitivo do suco gástrico para o esôfago.

 

Outras condições de saúde que provocam dor são nódulos na cabeça ou no pescoço. Estes podem ser benignos, como a maioria dos nódulos na tireoide. Entretanto, podem ser sinais de tumores malignos, como câncer de garganta.

 

Leia mais: O que causa dor no estômago? Conheça 9 motivos para esse problema

 

Outras causas

 

A garganta inflamada também pode ser consequência de situações pontuais, tais como mudanças climáticas repentinas. Em especial, o clima seco e frio causa irritações na região. Ainda, é possível que a dor de garganta esteja relacionada a exposição prolongada a:

  • Tabagismo;
  • Poluição, poeira e fumaça;
  • Componentes químicos;
  • Álcool;
  • Ar-condicionado.

Por fim, desgaste e cansaço vocal, lesões, alergias e hábito de dormir de boca aberta também podem causar inflamação na garganta. Além de dor, essas situações provocam rouquidão, ressecamento e tosse.

 

SINTOMAS DE GARGANTA INFLAMADA

 

Os sintomas variam dependendo do tipo de lesão ou patologia. Mas, os sinais mais comuns de inflamação na garganta são:

  • Irritação e dor aguda ao falar ou ao engolir alimentos, bebidas ou saliva;
  • Aumento da sensibilidade;
  • Vermelhidão;
  • Inchaço;
  • Sensação de queimação;
  • Sede e sensação de garganta arranhada e seca;
  • Tosse (geralmente seca, mas pode haver catarro, em alguns casos);
  • Pigarro e coceira na garganta;
  • Excesso de saliva (sialorreia);
  • Formação de pus na garganta e nas amígdalas.

Tosse, ressecamento e coceira na garganta costumam ser sintomas de alergias e infecções causadas por micro-organismos (vírus, bactérias etc.). Contudo, também são sinais de refluxo gastroesofágico quando acompanhados de dor e queimação no estômago e peito, indigestão e excesso de gases.

 

Já a presença de pus na garganta e nas amígdalas é sinal de doença infecciosa. A amigdalite bacteriana pode ser uma explicação para o problema. Porém, isso ainda pode ser sinal de gripe, resfriado ou mononucleose.

 

A inflamação na garganta também provoca outros sintomas na região da faringe e laringe que merecem bastante atenção. São eles:

  • Dor intensa;
  • Alterações na voz (principalmente rouquidão);
  • Sensação de aperto ou algo preso na garganta (“bolo” ou “nó” na garganta);
  • Sensação de corpo estranho na garganta;
  • Caroços no pescoço;
  • Inchaço e vermelhidão nas amígdalas;
  • Mau hálito;
  • Estridor;
  • Falta de ar;
  • Tosse persistente e tosse com sangue.

 

A rouquidão pode ser resultado de infecções, cansaço vocal e tabagismo. Porém, é possível que seja o alerta inicial para o câncer de garganta (câncer de laringe e câncer de hipofaringe).

 

O tumor maligno na garganta também compartilha alguns sintomas com outras doenças. Portanto, é importante prestar atenção à frequência e intensidade desses sinais. Por exemplo, a tosse do câncer de laringe é persistente e pode conter expectoração de sangue. Tosse com secreção sanguinolenta é um sintoma de algumas doenças respiratórias, mas, quando é recorrente, pode indicar uma neoplasia.

 

Outros sinais de alerta para o câncer de garganta são dificuldade para respirar e engolir, dor intensa e mau hálito constante. Sensação de nó na garganta, caroços no pescoço e perda de peso excessiva também são sintomas possíveis de tumores malignos.

 

Por fim, a falta de ar é um sinal de perigo. Isso vale não só para o câncer de garganta, mas também para complicações de doenças respiratórias e refluxo gastroesofágico. Chiado no peito e estridor (som ofegante e agudo que ocorre durante a inspiração do ar) são outros indicativos de risco à saúde. Sintomas como esses devem ser acompanhados com extrema atenção, pois podem resultar em asfixia e necessitar internação hospitalar de emergência.

 

Se a inflamação na garganta estiver associada a infecções respiratórias, outros sintomas também são observados. Por exemplo:

  • Febre;
  • Fadiga extrema;
  • Dores de cabeça;
  • Dores no corpo;
  • Dor de ouvido;
  • Coriza e congestão nasal;
  • Irritação nos olhos;
  • Espirros;
  • Náusea e vômito;
  • Perda de paladar.

 

DIAGNÓSTICO DE GARGANTA INFLAMADA

 

O tratamento de garganta inflamada e da dor de garganta depende de diferentes fatores. Primeiramente, é preciso identificar qual a enfermidade ou condição que está causando esses problemas.

 

Para o diagnóstico correto, é preciso procurar um médico otorrinolaringologista ou clínico geral. Contudo, em caso de suspeita de refluxo gastresofágico, é necessário consultar um gastroenterologista.

 

No consultório, o médico analisa os sintomas e examina o paciente. Por exemplo, o profissional avalia boca, garganta e amígdalas, verificando se há inchaço, vermelhidão ou pus. O pescoço do indivíduo também pode ser examinado, a procura de nódulos ou ínguas.

 

Já a auscultação da respiração é outra medida importante em caso de infecções, refluxo e exposição prolongada a fumaça e componentes químicos. Assim, é possível identificar sintomas como chiado no peito e estridor, além de dificuldade e esforço excessivo para inspirar o ar.

 

Em alguns casos, são solicitados exames como raio X. Isso serve para analisar os pulmões (em caso de doenças respiratórias e possíveis complicações) ou pescoço (em caso de nódulos).

 

GARGANTA INFLAMADA: O QUE FAZER?

 

Tratamento sintomático

 

Nem sempre a dor de garganta persiste e precisa de tratamento com remédios. Isto é, inflamações decorrentes de uso prolongado de ar-condicionado, cansaço vocal e mudança de temperatura costumam ser breves e desaparecem sozinhas.

 

casos leves de doenças respiratórias (principalmente resfriados) são tratados em casa, com repouso e hidratação. Alguns medicamentos podem ser prescritos para reduzir os sintomas, como analgésicos, anti-histamínicos e anti-inflamatórios.

 

Por sua vez, diagnósticos mais sérios de infecções devem ser tratadas com medicação antiviral, antibiótica ou antifúngica (dependendo do agente etiológico). Contudo, qualquer remédio para garganta inflamada ou dor de garganta só deve ser utilizado com prescrição e acompanhamento médico.

 

Quando a dor e inflamação de garganta estão associados a sintomas graves, como falta de ar, o tratamento precisa ser imediato. Nesse caso, pode ser necessário internação hospitalar e uso de respirador ou ventilador pulmonar.

 

Se a causa da dor de garganta não for uma infecção ou problema respiratório, o tratamento envolve outros cuidados. Bem como, o refluxo gastroesofágico é tratado com remédios antiácidos e mudanças no estilo de vida. Como perda de peso, dieta balanceada (evitando consumo de bebidas gaseificadas, álcool e cafeína) e prática de atividade física.

 

Cirurgias

 

Existem ainda situações em que procedimentos cirúrgicos são necessários para tratar uma inflamação na garganta. É o caso de amigdalites de repetição (várias vezes em um mesmo ano e/ou em 3 anos consecutivos) ou crônicas. A cirurgia de retirada das amígdalas também é realizada em caso de abscesso (formação de pus na região). Ou, então, para impedir complicações da amigdalite bacteriana (como a febre reumática).

 

Procedimentos cirúrgicos também são feitos para retirar nódulos (benignos ou malignos) da garganta. Em caso de câncer, o tipo de cirurgia depende do estágio do tumor. Quando a neoplasia está em fase inicial, podem ser realizados procedimentos como a cirurgia a laser e cirurgia endoscópica.

 

Porém, conforme o câncer progride, além do tumor, pode ser necessário retirar parte das cordas vocais, da laringe ou da faringe. Em casos severos, é possível que a remoção total da laringe (laringectomia total) seja realizada. Essa é uma condição radical, que é acompanhada por uma cirurgia na traqueia (traqueostomia) para permitir a respiração do paciente. A retirada total da laringe também causa a perda permanente da fala.

 

Já a remoção total da faringe (faringectomia total) é feita quando o tumor está localizado em área extensa desta região. Posteriormente ao procedimento, uma cirurgia de reconstrução da faringe pode ser necessária, pois o paciente pode ter problemas para engolir alimentos.

 

Além de cirurgias, o cancro na garganta também pode ser tratado com quimioterapia ou radioterapia. De qualquer forma, o diagnóstico precoce da patologia faz diferença no sucesso do tratamento. Afinal, o câncer de garganta pode ser curado em até 90% dos casos quando descoberto em fase inicial.

 

 COMO PREVENIR INFLAMAÇÃO E DOR DE GARGANTA?

 

Para evitar a dor de garganta e a garganta inflamada é importante adotar alguns cuidados no dia a dia. Primeiramente, para prevenir infecções por vírus, bactérias, fungos, ácaros ou alérgenos é necessário:

  • Manter hábitos de higiene (principalmente lavar as mãos sempre antes de tocar nos olhos, nariz ou boca);
  • Manter os ambientes bem arejados e ventilados;
  • Retirar o pó de objetos e móveis com frequência;
  • Trocar roupas de cama e toalhas semanalmente;
  • Evitar ter tapetes e pelúcias em casa ou redobrar os cuidados com o acúmulo de pó e ácaros destes objetos;
  • Não compartilhar objetos de higiene pessoal;
  • Evitar aglomerações e contato com pessoas com sintomas de infecções virais ou bacterianas;
  • Vacinar-se contra gripe e Covid-19;
  • Manter a caderneta de vacinação de crianças atualizada (sarampo, catapora, coqueluche, gripe, Covid-19).

Leia mais: COVID – Consultas Online

 

Já as IST são evitadas com o uso de preservativos em todas as relações sexuais.

 

Para prevenir o refluxo gastroesofágico, é recomendado seguir uma dieta balanceada, praticar exercícios físicos e evitar consumo de álcool e cigarro. Outras medidas que devem ser adotadas para evitar a doença são:

  • Perder peso;
  • Não se deitar após as refeições;
  • Não utilizar roupas apertadas na região do abdômen;
  • Não comer em excesso de uma só vez;
  • Evitar bebidas gaseificadas, cafeína e alimentos ácidos, apimentados ou gordurosos.

 

Por sua vez, para prevenir o ressecamento da garganta, é recomendado hidratação (no mínimo, consumo de 2L de água diariamente). Outras mudanças que podem ajudar são a utilização de umidificadores de ar em clima seco e redução do uso frequente de ar-condicionado. Aliás, manter a limpeza deste eletrodoméstico é essencial para evitar acúmulo de bactérias e ácaros.

 

Cuidar da voz (evitar gritar ou falar excessivamente) também é importante para prevenir a dor e problemas sérios na garganta. Já em caso de contato frequente com fumaça, poeira, poluição ou substâncias químicas, utilizar máscara é uma forma de proteção.

 

Realizar consultas médicas e exames de rotina também são medidas de prevenção contra inflamação na laringe, faringe e possíveis complicações. Caso sua dor de garganta seja intensa, persistente (duração de meses), recorrente ou esteja acompanhada de outros sintomas, procure um médico.

 

Na Central de Consultas, você pode agendar atendimento de Clínico Geral, Otorrinolaringologia, Gastroenterologia e diversas outras especialidades.

Marque sua consulta pelo site centraldeconsultas.med.br ou telefone e WhatsApp (51) 3227-1515. Inclusive, é possível agendar atendimentos de telemedicina com clínico geral e fazer exames como raio X, ressonância magnética e tomografia.

 

Você também pode realizar sua assinatura Dr. Central. Com essa rede de benefícios, é possível ganhar descontos em consultas, exames e na compra de produtos em lojas parceiras. Escolha o plano de sua preferência e aproveite todas as vantagens! Para saber mais, ligue para (51) 3092-6060 ou chame no WhatsApp (51) 98977-2610.

Compartilhar: