central-de-consultas-logotipo-19-anos

Exame TSH: para que serve e quando é preocupante?  

Exame TSH: para que serve e quando é preocupante?  

 

O QUE É EXAME TSH?

 

O exame TSH é um teste feito com coleta sanguínea que pode ser solicitado por médicos endocrinologistas, cardiologistas, ginecologistas ou clínicos gerais. O objetivo desse exame é verificar o funcionamento da tireoide, glândula localizada no pescoço, abaixo da laringe.

 

No artigo de hoje, falaremos mais sobre a função desse exame laboratorial. Continue a leitura para saber tudo sobre o hormônio TSH e como ele pode indicar hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

 

Na Central de Consultas, você pode marcar o seu exame TSH para o dia e horário de sua preferência. Faça o agendamento pelo site centraldesconsultas.med.br ou telefone e WhatsApp (51) 3227-1515. Aproveite também para consultar outros exames laboratoriais disponíveis (como T4 livre) em centraldeconsultas.med.br/exames/exames-laboratoriais.

 

PARA QUE SERVE O EXAME TSH?

 

O exame de TSH serve para detectar possíveis alterações na produção do hormônio tiroestimulante, isto é, hormônio estimulador da tireoide. É um teste laboratorial que pode contribuir para o diagnóstico de diferentes distúrbios tireoidianos, como, por exemplo:

 

  • Hipotireoidismo (primário, secundário, terciário, congênito ou subclínico);
  • Hipertireoidismo (clínico ou subclínico);
  • Tireoidite de Hashimoto;
  • Doença de Graves;
  • Bócio multinodular tóxico (doença de Plummer);
  • Tumor benigno (adenoma de hipófise) e outros nódulos ou cistos.
  • Tumores malignos (câncer de tireoide).

 

Além disso, o teste de TSH é importante para acompanhar a evolução de distúrbios da tireoide já diagnosticados. Ademais, é um exame que deve fazer parte do pré-natal.

 

O QUE É HORMÔNIO TSH?

 

TSH é a sigla em inglês para hormônio tiroestimulante. Este é produzido pela hipófise, uma glândula que fica localizada na base do cérebro e que controla o funcionamento da tireoide.

 

Como o nome indica, o TSH atua estimulando a produção hormonal tireoidiana. A tireoide é responsável por dois hormônios: triiodotironina (T3) e tiroxina (T4). Quando a glândula produz essas substâncias em quantidade menor ou maior do que o normal, o TSH age para corrigir o problema.

 

Então, se os níveis de T3 e T4 estão baixos, o cérebro entende que deve liberar mais hormônio tiroestimulante para compensar. Por sua vez, se triiodotironina e tiroxina estão acima da média, a hipófise reduz o TSH para controlar a produção hormonal tireoidiana.

 

Os hormônios da tireoide atuam no metabolismo energético e seu desequilíbrio pode afetar diferentes partes do organismo. Essa disfunção altera a qualidade de vida e causa ganho ou perda de peso e massa muscular. Além disso, provoca alterações na memória, concentração, humor e crescimento de crianças e adolescentes.

 

O QUE SIGNIFICA TSH ALTO?

 

TSH alto pode ser indicativo de que a tireoide está produzindo os hormônios T3 e T4 em quantidade insuficiente. Essa é uma condição chamada de hipotireoidismo, a doença mais comum envolvendo hormônios tireoidianos.

 

Contudo, existem outros fatores que podem causar aumento dos níveis de TSH no sangue. Gravidez, uso de alguns medicamentos (como suplementos alimentares, anticonvulsionantes, antiarrítmicos e anticoagulantes) e tumores também explicam esse resultado no exame.

 

Por isso, o endocrinologista pode solicitar outros exames antes de diagnosticar alguma patologia. Outros testes que podem ser feitos nesse caso são o exame de T4 livre, Anti-TPO e Anti-Tg. O primeiro avalia os níveis de triiodotironina no sangue para confirmar o diagnóstico de hipotireoidismo.

 

Já os outros dois servem para detectar a presença dos anticorpos anti-tireoide peroxidase e anti-tireoglubulina. É um exame que pode contribuir para o diagnóstico de tireoidite de Hashimoto, doença de Graves e câncer de tireoide.

 

Em adultos (maiores de 18 anos), os valores normais de TSH vão de 0,3 a 4,5 mUl/L, aproximadamente. Gestantes, crianças e idosos podem ter níveis maiores do hormônio na corrente sanguínea. Contudo, valores acima de 10 mUl/L representam grandes chances de hipotireoidismo.

QUAIS SÃO OS TIPOS DE HIPOTIREOIDISMO?

 

O hipotireoidismo afeta pessoas de todas as idades, incluindo recém-nascidos (condição chamada de hipotireoidismo congênito). Contudo, é um problema que atinge mulheres e idosos com mais frequência.

 

Esse distúrbio pode ser do tipo primário, secundário ou terciário. O hipotireoidismo primário ocorre por um desequilíbrio da produção hormonal da tireoide (T3 e T4 abaixo da média).

 

Já o hipotireoidismo secundário acontece quando a disfunção hormonal parte da hipófise (ou seja, não é por ação direta da tireoide). Assim, o funcionamento desregulado da glândula cerebral causa deficiência de TSH e, consequentemente, de hormônios tireoidianos.

 

Por sua vez, o hipotireoidismo terciário tem origem no hipotálamo (região do encéfalo que controla a hipófise), na produção de TRH insuficiente. Este é o hormônio liberador de tireotrofina, que estimula o funcionamento da hipófise. Portanto, seu desequilíbrio consequentemente afeta a liberação de TSH e a posterior produção de T3 e T4.

 

Também há casos de hipotireoidismo subclínico. Isto é, quando a pessoa não tem sintomas (ou tem apenas sintomas leves). Nesse caso, os níveis de T3 e T4 também permanecem normais, apesar do aumento de TSH. Por isso, o exame é tão importante, pois pode diagnosticar o problema antes mesmo do aparecimento de qualquer sinal e complicação.

 

QUAIS SÃO AS CAUSAS DO HIPOTIREOIDISMO?

 

A principal razão para o hipotireoidismo é a tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune. É uma condição na qual o próprio sistema imunológico ataca e danifica as células da tireoide.

 

Outras explicações para o distúrbio são deficiência de iodo (em especial de hipotireoidismo congênito) e uso de alguns medicamentos. Por exemplo, lítio (tratamento adjunto a antidepressivos), biotina (suplementação alimentar), amiodarona (antiarrítmico).

 

Além disso, o tratamento de radioterapia para câncer de laringe ou linfoma de Hodgkin também pode causar esse problema hormonal. Por fim, doses excessivas de remédios para tratar hipertireoidismo podem resultar em mais desequilíbrio na tireoide e um novo diagnóstico de hipotireoidismo.

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DE HIPOTIREOIDISMO?

 

Os sintomas mais comuns de TSH alto e hipotireoidismo são:

  • Cansaço, falta de energia e sonolência;
  • Dores musculares e articulares frequentes;
  • Aumento de peso;
  • Aumento do colesterol;
  • Intolerância ao frio;
  • Pele seca;
  • Queda e ressecamento do cabelo;
  • Unhas fracas;
  • Aumento de pelos no rosto;
  • Alterações no fluxo menstrual;
  • Constipação;
  • Diminuição da sudorese;
  • Visão borrada;
  • Redução da audição;
  • Esquecimento e dificuldade de concentração;

 

Sem tratamento, os sintomas de hipotireoidismo se intensificam e podem causar problemas mais graves. Como, por exemplo, hipertensão, doenças cardíacas, glaucoma e infertilidade.

 

O hipotiroidismo também é perigoso na gravidez, pois pode afetar o desenvolvimento cerebral do feto. Ainda, é capaz de resultar em hipotireoidismo congênito, o que pode trazer atraso no desenvolvimento físico e intelectual do bebê. Já para a gestante os riscos são de parto prematuro, pré-eclâmpsia, hemorragia pós-parto e aborto espontâneo.

 

O QUE SIGNIFICA TSH BAIXO?

 

Embora o TSH alto seja um problema mais comum, algumas pessoas podem apresentar esse hormônio em quantidade insuficiente no organismo. Nesse caso, o que ocorre é uma produção excessiva dos hormônios da tireoide T4 e T3. Isso faz com que a hipófise produza menos TSH, levando a um quadro de hipertireoidismo.

 

Outras razões para TSH baixo podem estar relacionadas a tumores. Alguns medicamentos também podem provocar alterações, baixando o TSH, como os remédios que contém biotina ou amiodarona.

 

Para adultos, aproximadamente 0,3 mUl/L é o valor mínimo considerado normal no exame TSH. Mas, gestantes podem apresentar níveis um pouco mais baixos do hormônio nos primeiros meses de gravidez. Portanto, o teste TSH deve ser avaliado por um médico para a interpretação correta do resultado.

 

QUAIS SÃO OS TIPOS DE HIPERTIREOIDISMO?

 

Geralmente, o hipertireoidismo é caracterizado pela produção descontrolada de triiodotironina e tiroxina. Assim, a hipófise entende que o TSH deve ser liberado em baixa quantidade para regular os hormônios da tireoide. Esse é um diagnóstico de hipertireoidismo clínico.

 

Entretanto, também é possível haver casos de hipertireoidismo subclínico. Ou seja, quando o distúrbio é assintomático ou provoca sintomas muito leves. Nessa situação, os níveis de T3 e T4 seguem normais mesmo com a redução de TSH.

 

Porém, é importante dizer que o hipertiroidismo subclínico é uma condição rara. Isso é uma diferença em relação ao hipotireoidismo subclínico, que ocorre com mais frequência, em comparação.

 

QUAIS SÃO AS CAUSAS DO HIPERTIREOIDISMO?

 

A principal causa do hipertireoidismo é a doença de Graves. Trata-se de um distúrbio autoimune que estimula a produção excessiva de hormônios da tireoide. É uma patologia mais comum em mulheres com menos de 40 anos de idade.

 

A segunda explicação para o hipertireoidismo é a doença de Plummer ou bócio multinodular tóxico. Nesse caso, ocorre o aumento anormal da tireoide (bócio) com a presença de dois ou mais nódulos na região. Desses pequenos caroços, pelo menos um tem produção hormonal autônoma, causando o aumento dos níveis de T3 e T4. É uma patologia mais frequente em mulheres com mais de 50 anos.

 

Outras razões para o hipertireoidismo são inflamações na tireoide e uso de medicamentos com alta quantidade de iodo. Remédios de uso oral que possuem excesso de hormônios tireoidianos são outras possíveis explicações para o distúrbio.

 

Ainda, uma hipófise hiperativa pode ser outra causa do hipertireoidismo. É uma situação na qual a glândula libera TSH em excesso, consequentemente resultando na produção descontrolada de hormônios tireoidianos. Contudo, essa condição é bastante rara.

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DE HIPERTIREOIDISMO?

 

Os principais sintomas de hipertireoidismo e TSH baixo são:

  • Pescoço inchado e aumento da tireoide (bócio);
  • Palpitações;
  • Coração acelerado;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Tremores;
  • Insônia;
  • Nervosismo, irritabilidade e agitação;
  • Intestino irregular e diarreia;
  • Perda de peso e de massa muscular sem motivo;
  • Fraqueza muscular;
  • Fome constante;
  • Olhos saltados;
  • Excesso de sudorese;
  • Intolerância ao calor.

 

O hipertireoidismo também traz perigos à saúde se não for tratado adequadamente. Entre as complicações do distúrbio estão arritmia, taquicardia e paralisia das cordas vocais. Além disso, a condição aumenta os riscos para osteoporose, acidente vascular cerebral (AVC) e infarto. Em casos mais extremos, a perda de peso e massa muscular pode levar a anorexia nervosa.

 

Na gestação, o hipertireoidismo pode causar parto prematuro, pré-eclâmpsia e aborto espontâneo. Ainda, é capaz de provocar insuficiência cardíaca na gestante ou no bebê e problemas na tireoide e sistema nervoso do recém-nascido. Também pode ser responsável por hidropisia fetal (acúmulo de líquido em dois ou mais tecidos ou órgãos do feto).

 

COMO É FEITO O EXAME TSH?

 

O exame TSH é feito com coleta de sangue em laboratório. É um teste rápido que leva de 5 a 10 minutos para ser realizado, aproximadamente.

 

O horário preferencial para a realização do exame de TSH é na parte da manhã. Afinal, os valores de hormônio tiroestimulante no sangue podem variar ao longo do dia. Geralmente, não é necessário nenhuma preparação, mas, alguns laboratórios podem solicitar jejum de 4 horas.

 

Entretanto, é necessário que o paciente sempre avise sobre os medicamentos que está utilizando. Como dito anteriormente, os valores de TSH podem sofrer alterações com o uso de alguns remédios. Também é importante que mulheres avisem se fazem uso de anticoncepcionais e se estão grávidas. Afinal, a gestação é outra causa para alterações nos resultados do exame, consequência das mudanças hormonais ocorridas nesse período.

 

QUANDO O EXAME TSH DEVE SER FEITO?

 

O teste deve ser solicitado por um médico (endocrinologista, clínico geral, cardiologista ou ginecologista). Algumas razões para fazer o exame TSH:

 

  • Aumento do volume da tireoide (bócio);
  • Nódulo na tireoide;
  • Diagnóstico ou suspeita de tireoidite de Hashimoto;
  • Diagnóstico ou suspeita de doença de Graves;
  • Diagnóstico de hipotireoidismo ou hipertireoidismo;
  • Sintomas de hipotireoidismo ou hipertireoidismo, incluindo atraso no desenvolvimento físico e intelectual de crianças e adolescentes;
  • Histórico pessoal de disfunção da tireoide;
  • Histórico familiar de distúrbios da tireoide (tireoidite de Hashimoto, doença de Graves, hipotireoidismo, hipertireoidismo, câncer de tireoide);
  • Histórico de cirurgia de tireoide;
  • Uso de medicamentos que podem alterar os níveis de TSH;
  • Diagnóstico prévio ou histórico familiar de doença autoimune.

 

Além disso, é necessário que o teste de TSH seja realizado durante o pré-natal. Ainda, é recomendado que pessoas de 40 anos de idade ou mais façam o exame de rotina a cada 5 anos.

 

O QUE É EXAME TSH ULTRA SENSÍVEL?

 

O exame TSH ultra sensível é um teste mais avançado, capaz de detectar quantidades mínimas do hormônio na corrente sanguínea. Como, por exemplo, 0,1 μUI/mL, o que não seria possível no exame comum.

 

Os laboratórios costumam utilizar o método ultra sensível na realização do teste de TSH para garantir resultados mais precisos.

 

O QUE FAZER QUANDO O TSH ESTÁ ALTERADO?

 

Depois do resultado do exame, o médico avalia a necessidade de novos testes para confirmar um diagnóstico ou não. Por sua vez, o tratamento depende do tipo de distúrbio que está causando a produção anormal de TSH.

 

O hipotireoidismo é tratado com remédios para reposição hormonal da tireoide. Já o hipertireoidismo necessita de medicamentos antitireoidianos ou betabloqueadores e iodo radioativo (I-131). Em casos mais severos também pode ser realizada a cirurgia de remoção da tireoide (tireoidectomia). Esta pode ser total (doença de Graves) ou parcial (doença de Plummer).

 

Por sua vez, o tratamento para câncer de tireoide depende do grau do tumor. A doença pode ser tratada com iodo radioativo, hormonioterapia, radioterapia, quimioterapia ou cirurgia (tireoidectomia total ou tireoidectomia parcial). Contudo, o câncer de tireoide nem sempre causa alterações nos níveis de TSH no sangue.

 

A melhor maneira de impedir complicações na tireoide é fazendo acompanhamento médico e exames de rotina. Na Central de Consultas, você pode agendar um atendimento de Endocrinologia para o dia e horário de sua preferência. Também é possível fazer exame de TSH (ultrasensível), T3 (triiodotironina), T4 (tiroxina), T4 Livre (tiroxina livre) e ecografia de tireoide.

 

Marque suas consultas e exames pelo site centraldeconsultas.med.br ou telefone e WhatsApp (51) 3227-1515.

 

Aproveite para conhecer a assinatura Dr. Central. Com essa rede de benefícios, você ganha descontos em consultas, exames e na compra de produtos em farmácias e lojas parceiras. Faça a sua assinatura a partir de R$30,00 e garanta os benefícios. Saiba mais pelo telefone (51) 3092-6060 ou WhatsApp (51) 98977-2610.

 

Compartilhar: